.


Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

terça-feira, 13 de junho de 2017

Jornalista Míriam Leitão é agredida por delegados do PT durante voo. Presidente do partido lamenta caso


Resultado de imagem para MIRIAM LEITÃO É AGREDIDA POR DELEGADOS DO PT


A jornalista e comentarista de economia Míriam Leitão afirmou ter sido agredida verbalmente por simpatizantes do PT durante um voo que saiu de Brasília e ia para o Rio de Janeiro. O relato foi publicado em sua coluna no jornal O Globo desta terça-feira, 13. De acordo com ela, o caso ocorreu no último dia 3 de junho.

''Foram duas horas de gritos, xingamentos, palavras de ordem contra mim e contra a TV Globo'', escreveu. ''Não eram jovens militantes, eram homens e mulheres representantes partidários. Alguns já em seus cinquenta anos. Fui ameaçada, tive meu nome achincalhado e fui acusado de ter defendido posições que não defendo''.



Segundo Míriam, tudo ocorreu durante um voo da companhia aérea Avianca, e começou quando o grupo entrou no avião. ''Logo depois eles começaram as hostilidades antes mesmo de se sentarem. Por coincidência estavam todos, talvez uns 20, em cadeiras próximas de mim. Alguns à minha frente, outros do lado, outros atrás. Alguns mais sileciosos dirigiam olhares de ódio ou risos debochados, ou lançavam ofensas. 'Terrorista, terrorista' - gritaram alguns''.

Segundo a jornalista, uma comissária de bordo lhe sugeriu mudar de lugar a convite do comandante. ''É aqui que eu vou ficar'', disse. Caso ela não mudasse de lugar, o avião não iria decolar. Esta ordem partiu da Polícia Federal. ''Enfrentei a ditaura. Não tenho medo. De nada'', disse.

''Nos momentos de maior tensão, alguns levantavam o celular esperando a reação que não tive. Houve um gesto tão baixo nível que eu prefiro nem relatar aqui'', continuou. ''Permaneci em silêncio. Alguns, ao andarem no corredor, empurravam minha cadeira, entre outras grosserias'', relatou.

Ainda na publicação, Míriam Leitão afirmou que ''o piloto nada disse ou fez para estabelecer a paz a bordo. Nem mesmo um pedido de silêncio. Quando me levantei, um deles (delegado do PT), no corredor, me apontou o dedo xingando em altos brados'', continuou. ''Sou apenas uma jornalista e continuarei fazendo meu trabalho'', finalizou.

NOTA
No início da tarde desta sexta-feira, o Partido dos Trabalhadores (PT) publicou uma nota oficial em sua página no Facebook repudiando o constrangimento sofrido pela jornalista Míriam Leitão. ''Orientamos nossa militância a não realizar manifestações políticas em locais impróprios e a não agredir qualquer pessoa por suas posições políticas, ideológicas ou por qualquer outro motivo, como confundi-las com as empresas para as quais trabalhem'', diz.

ZERO HORA

Nenhum comentário:

Postar um comentário