.


Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Gleisi praticou corrupção passiva e lavagem de dinheiro, diz PF


Resultado de imagem para Gleisi



Segundo a PF, em fevereiro de 2016, foram apreendidos documentos na casa de uma secretária do setor de operações estruturadas – que ficou conhecido como “departamento da propina” – da construtora Odebrecht. Entre eles estavam planilhas relatando dois pagamentos de 500 mil reais cada a uma pessoa de codinome “Coxa”, além de um número de celular e um endereço de entrega. A investigação identificou que a linha telefônica pertencia a um dos sócios de uma empresa que prestou serviços de propaganda e marketing na última campanha de Gleisi.

A PF verificou outros seis pagamentos no mesmo valor, além de um outro de 150 mil reais em 2008 e duas parcelas de 150 mil reais em 2010. Também foram identificados os locais onde os pagamentos foram realizados e as pessoas responsáveis pelo transporte de valores. Essas tabelas, de acordo com a polícia, também foram apresentadas pela construtora no momento em que foi firmado termo de colaboração premiada.



Ainda segundo a PF, “há elementos suficientes para apontar a materialidade e autoria dos crimes de corrupção passiva qualificada e lavagem de dinheiro praticados pela senadora, seu então chefe de gabinete, Leones Dall Agnol, e seu marido, Paulo Bernardo da Silva, além dos intermediários no recebimento, Bruno Martins Gonçalves Ferreira e Oliveiros Domingos Marques Neto”.

A PF também aponta os ex-diretores da Odebrecht Benedicto Barbosa da Silva Júnior e Valter Luiz Arruda Lana como co-responsáveis por crime eleitoral de caixa dois, com base no artigo 350 do Código Eleitoral (“omitir, em documento público ou particular, declaração que dêle devia constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, para fins eleitorais”).

Outro lado

Por meio de nota, o advogado Rodrigo Mudrovitsch, que defende Gleisi Hoffmann, afirma que “a defesa entende que não há elementos nos autos que autorizem a conclusão alcançada pela Polícia Federal. Não foi praticada qualquer irregularidade pela Senadora”.

(com Estadão Conteúdo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário