.


Image and video hosting by TinyPic

terça-feira, 7 de março de 2017

Ministério conclui que 60 cidades baianas usam Mais Médicos para cortar gastos


Resultado de imagem para MAIS MEDICOS
Levantamento feito pelo Ministério da Transparência concluiu que 60 prefeituras da Bahia demitiram médicos contratados pelas prefeituras e contrataram agentes do Mais Médicos. A manobra gera economia para a gestão municipal, mas fere o estatuto do programa federal, que tem o programa como um “reforço” na Atenção Básica da cidade. O “jeitinho brasileiro” para economizar a verba do município, no entanto, pode render punição. O Ministério da Transparência afirmou que “o relatório faz parte de um trabalho mais amplo de avaliação do Programa Mais Médicos, realizado em 2015 e publicado em janeiro de 2017. A auditoria abrangeu a fase de avaliação da atuação do Ministério da Saúde na gestão do programa. A outra fase de avaliação refere-se à atuação dos gestores municipais, contemplando quase duzentas ações de controle no país”. A economia acontece da seguinte forma. A prefeitura - que antes pagava os médicos - demite os servidores e os "repõem" com médicos do programa federal, pagos pela União. Segundo o G1, antes do programa, a atenção básica contava com 47 mil médicos. De 2012 a 2015, 18 mil médicos do programa foram contratados para ampliar o atendimento no país. Mas no fim da investigação, apenas 54.525 médicos trabalhavam na atenção básica. Dez mil médicos a menos. Na Bahia foi onde essa prática mais ocorreu. As prefeituras tinham 3.400 médicos. Elas receberam 1.600 profissionais do programa, mas nem quatro mil estavam atendendo. Mil a menos do que o esperado.
BN

Nenhum comentário:

Postar um comentário